Um país de bundões

Um país de bundões

Os últimos quatorze anos do novo Brasil passaram acelerados. Estamos em março de 2028, assistindo ao velho programa de Luciana Gimenez. No palco, como sempre, homens sarados e tatuados, apenas de sunga, dividem o palco com mulheres bundudas, de fio dental.

Luciana, com dois netos no colo entrevista Daniela Mercury, prestes a entrar na terceira idade, que explica pela milionésima centésima nona vez, como conheceu sua esposa Malu Verçosa.

Daniela dizia que contar seu caso de amor é uma forma de combater o preconceito, coisa que achamos totalmente desnecessária, uma vez que nesses anos 2020, de cada cinco casamentos, quatro são entre pessoas do mesmo sexo.

Mudei de canal e sintonizei a Globo, onde a novela “Amor à audiência”, bate recordes no Ibope. O segredo do estrondoso sucesso está no enredo, que se passa num estádio de futebol lotado, onde público, atores e atrizes, contracenam quase pelados, sempre com diálogos inteligentes, curtos de, no máximo, cinquenta palavras: “E aí mana? Quero ver o bigodinho que tu fez em tua periquita!”

“Perdeu mano, bigodinho foi em 2014! Minha periquita amadureceu, tá linda, de cavanhaque e costeleta!”

Pedro Bial, graças à sua sensível atuação no comando do BBB, foi eleito presidente da Academia Brasileira de Letras, e o Big Brother, por sua inestimável contribuição à cultura do país, tornou-se matéria obrigatória em todas as escolas e universidades.

Na política ocorreram transformações: a corrupção tomou conta da nação, os não corruptos acabaram tornando-se minoria, sofreram perseguições e acabaram confinados em presídios do Maranhão, os quais, mantém até hoje, o mesmo padrão Sarney de qualidade de 2014.

Por outro lado, novos partidos surgiram e hoje formam a base aliada do governo: PR – Partido do Rolezinho, PA – Partido dos Arrastões, PM – Partido dos Mensaleiros, PIT – Partido dos Invasores de Terras, PIR – Partido dos Invasores de Residências, PEC – Partido da Esbórnia Completa e PSV – Partido dos Sem Vergonha.

Ainda procurando proporcionar melhor qualidade de vida ao povo, o governo lançou o Bolsa Bundão, no qual cada brasileira e cada brasileiro, tem direito a um salário para desenvolvimento dos glúteos e, assim, concorrer no mercado de trabalho em condições competitivas. Um(a) profissional sem bunda tem dificuldade de arrumar emprego.

Para celebrar este novo programa social o governo lançou no horário nobre e em cadeia nacional, o seu novo slogan: “Brasil, um país de bundões!”

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

Anúncios

Guerra no Facebook

Guerra no Facebook

“Waltinho, a Heleninha Seabra postou uma foto dela com o Marianinho em Punta. Devo reagir?”

“Claro, Vivi! Põe aquela nossa sob o sol de Ibiza”.

“Pô, mal postei, e ela contratacou com uma deles em Paris, no saguão do Ritz”.

“Coloca aquela da gente em Côte, rindo muito, acompanhados dos Ferraz e dos Marcondes. Vamos arrasar a Heleninha!”

“Não vai ser fácil, não, querido, ela parece estar preparada com um verdadeiro arsenal. Acabou de colocar uma foto deles entrando no helicóptero dos Abuda. O que você sugere?”

“Tem uma ótima nossa, sentados sorridentes no jatinho dos Mansur, bebericando Cristal…põe essa!”

“É acho que isso ela não esperava. Agora se enrolou. Não postou mais nada! Acho que vencemos!”

“Um vitória com sabor de mel, Vivi”

“Peraí, não podemos comemorar! Ela acaba de postar uma foto do Marianinho internado no Einstein, sendo atendido pelo Dr Zeballos. Agora a Heleninha jogou pesado…”

“Vamos responder! Lembra quando o Dr Khallil me operou no Sírio Libanês? Tem uma foto ótima, em que estou abraçado com ele. Põe essa!”

“Caramba, a Heleninha não dá trégua, mal postei a sua no Sírio, ela colocou uma bem antiga em que o casal está na piscina do Copa com o Jorginho Guinle…”

“Bem já que eles partiram para reminiscências, posta a foto em que nós estamos cavalgando na fazenda dos Mattarazzo…”

“Pronto, vamos ver se agora ela desiste…”

“Chocante! Eu não acredito no que estou vendo! A Heleninha perdeu as estribeiras, colocou foto do Marianinho pelado, com uma enorme ereção! Enlouqueceu!”

“Deixa eu ver, Vivi…Pô isso é uma tremenda montagem! Vê lá se o Marianinho tem um equipamento desses! Repito, é uma montagem grosseira!”

“E agora, Waltinho, desistimos?”

“Claro que não! Espere um pouco, vou apelar também…”

“Pronto, selecionei uma foto minha. Posta essa!”

“O que é isso, Waltinho? Você também pelado? E com um descomunal membro, que eu sei que não é seu? E pior, pertencente a algum afro-descendente? Como vou postar isso, sendo você branco e o pinto negro?

“Posta e coloca uma legenda explicando que sou descendente da família real britânica por parte de mãe e da família real angolana por parte de pai!”