O Homem Abóbora

O Homem Abóbora

Em sua vida de observador do comportamento humano, Gillus já viu de tudo em matéria de estratégias masculinas na arte da conquista. Apaixonados que mandam um caminhão de flores prá casa da amada, pequenos aviões de aluguel que sobrevoam as praias puxando faixas de declarações amorosas, serenatas à moda antiga sob a janela da moça e, até mesmo, os milionários que presenteiam com jóias e, máximo dos máximos, com carros zero embrulhados com enormes laços de fita, uma infinidade de maneiras, cada uma mais criativa do que a outra.

Mas nada que se compare ao plano do Clodomiro, o meu amigo e advogado cearense, Miro.

A estória começou quando ele, precisando perder uns quilos, inscreveu-se numa dessas badaladas academias de ginástica.

Logo no primeiro dia Miro cruzou no corredor com aquela que viria a modificar os seus rumos. Olhou-a e chapou. “É ela, a mulher da minha vida!”

Depois daquele instante, o advogado não conseguiu mais pensar em outra coisa e, obcecado, foi á luta. Prá começar, descobriu que o nome da musa era Patrícia, excelente dentista e, infelizmente, noiva.

Inabalável, Miro tentou de tudo, sem sucesso. Em desespero, resolveu se inscrever na mesma aula da moça. Só havia um inconveniente: pelo tipo de ginástica praticada ali, ele era o único homem entre trinta mulheres, todas se submetendo a exercícios para “desenvolvimento dos glúteos”. Isso mesmo, “enrijecer as nádegas, empinar o bumbum”, ou seja, tornar mais atraente a preferência nacional. E o nome daquela aula não poderia ser mais prosaico: “Modelagem glútea”. Miro explicou à família e aos amigos que, embora parecesse estranho, era tudo por uma boa causa.

Prá resumir, o advogado depois de usar de todos os artifícios, finalmente conseguiu convencer à moça, que terminou o noivado e passaram a namorar.

Mas, embora não fosse essa a intenção, aconteceu o que ninguém poderia imaginar, isto é, a bunda do advogado cresceu e apareceu. Se antes ele praticamente não tinha nádegas, agora rivalizava facilmente com essas mulheres com nomes de frutas e que se tornaram bundas-celebridades. Miro, se quisesse explorar o filão, poderia adotar, com méritos, o codinome de O Homem Abóbora.

A piscina do prédio onde mora, por exemplo, passou a ficar lotada de vizinhos do sexo masculino, nos dias em que ele resolve tomar sol. Outro dia, uma baixaria entre o casal do apartamento 802, teve como pivôs os glúteos do advogado, dos quais o “seu” Norberto não tirava os olhos e acabou provocando a reação irada de dona Dininha, bronqueando em alto e bom som: “Norberto seu safado, pensa que eu não tô vendo que você não tira os olhos da bunda do doutor?”

O Miro procura não esquentar com essas coisas, pelo contrário, no íntimo fica todo orgulhoso com o sucesso, mas a Patrícia já não agüenta mais.

Prá culminar, ela organizou um jantar em casa, para que ele pudesse conhecer seus pais e formalizar o pedido de casamento.

Transcorreu tudo maravilhosamente bem, o pedido foi muito bem aceito e Miro resolveu se retirar às três da madrugada.

Mal ele saiu, “seu” Edevaldo, estimulado por generosas doses de Red Label, comentou com a esposa: “Que bela bunda tem o nosso genro, não, Judith?”

Anúncios

O novo Romualdo

O novo Romualdo

O que o Romualdo jamais poderia imaginar, aconteceu. Odaléa pediu a separação e mudou-se de mala e cuia prá casa da Dinorá, professora de canto orfeônico, sua velha colega de ASLA – Associação das Senhoras do Lar Amoroso e, agora, o seu novo amor.

E não era só o ex-marido que não poderia prever um desfecho desses. Todo mundo que conhecia o casal, já havia se acostumado com o comportamento passivo de Odaléa, resignada com o machismo exacerbado do Romualdo, agindo sempre como um poderoso sultão diante de sua subserviente súdita, a qual, coitada, há muito tempo perdera as referências quanto à própria personalidade.

Depois que os dois filhos se casaram e saíram de casa, ela começou a pensar na possibilidade de mudança de vida, até porque, ponderou, quem disse que ela estava aqui na terra com a obrigação de ser capacho do marido?

E começou a desabafar com a Dinorá que desde o início se mostrou extremamente compreensiva, o ombro amigo que ela tanto precisava e, de conversa em conversa, foi-se criando um vínculo, pintando um clima, cheio de fatos em comum, até que Odaléa concluiu que sua amiga a fazia muito mais feliz do que o machão rústico que com ela, há décadas, dividia os lençóis.

A verdade é que o choque por ser trocado por uma senhora da ASLA mexeu com a cabeça do Romualdo, a tal ponto que parecia ter adquirido outra identidade, revirando-se pelo avesso. Agora, queria porque queria, provar à ex-mulher e ao mundo, que era um sujeito interessante, um homem especial.

E decidiu se mostrar um cara super sensível.

Prá começar, matriculou-se num curso de Yôga (ex-Yoga), filiou-se ao Greenpeace e ao Partido Verde, parou de comer carne vermelha, inscreveu-se em todos os programas da Casa do Saber e tornou-se militante do Movimento de Proteção aos Seres Alados – MOPROSA.

Às terças feiras passou a ter aulas de Viagem Visceral ao Ego. Parece que se trata de um método em que a pessoa, através do toque com as pontas dos dedos, vai tomando intimidade com o próprio eu.

E Romualdo escolheu os sábados para, no Parque Ibirapuera, divulgar a causa do MOPROSA e, assim, chamar a atenção para sua pessoa. Mais chato impossível.

Nem Jim Carey e nem Mr Bean, chegariam aos pés dele.

Anteontem foi dia. Como sempre, ele chegou com a mochila do lado, camiseta meio bata, sandálias franciscanas e meias, trazendo na mão, uma gaiola com um pássaro. Escolheu uma jovem bonita prá se exibir e dirigiu-se a ela, num estilo zen.

Discursou que qualquer ser vivo nasceu para ser livre (esquecendo-se da prisão que impôs, por 30 anos, à Odaléa) e, num gesto teatral, abriu a porta da gaiola, libertando o prisioneiro.

Esse, mal alçou vôo, soltou dois torpedos pastosos na cabeça do Romualdo, deixando-o completamente desconcertado diante da moça que, a essa altura, procurava conter a gargalhada.

O pássaro pousou num galho da árvore em frente e ficou de lá piando alto.

Quem conhece a linguagem dos “seres alados” garante que ele teria dito: “Olha aqui ô babaca: ser um tremendo chato, é problema seu. Mas fazer cartaz às minhas custas, não vai não!”.

O Banco do Além

O Banco do Além

Alguns já conhecem Mãe Bentevi, a Mãe de Santo e Vidente em Primeiro Grau da Ordem dos Mensageiros da Quinta Dimensão.

Incompetente ela não é, pelo contrário, possui vasta clientela que acredita piamente em suas previsões, para as quais, aliás, ela apresenta um razoável índice de acertos, principalmente quando o óbvio se faz presente.

Sua mais recente empreitada é bastante inusitada e, segundo ela, surgiu de uma visão do Primeiro Guerreiro das Sete Luas que, de forma incisiva lhe ordenou que passasse a se dedicar à implantação do Banco do Além.

A vidente explicou que tal instituição financeira tem como objetivo preservar as fortunas pessoais amealhadas aqui na terra: “o Lula, por exemplo, certamente gostará de, quando passar dessa para outra, levar com ele toda a grana que afanou. Através de uma procuração passada em nome de Mãe Bentevi, é aberta a conta em nome dele no Banco do Além, que, assim, continuará desfrutando normalmente de sua riqueza, sem perder um tostão, já que não serão cobradas quaisquer taxas. Outro dado muito importante: não é necessário comprovação da origem do dinheiro, pois, Lula estará vivendo no mais completo paraíso, inclusive fiscal”.

“E o Banco já está funcionando?”

“Olha, estamos começando, mas quem quiser pode abrir conta através da procuração, dando-me plenos poderes para que, logo após o falecimento, eu possa dar início aos trâmites para transferência dos valores. É importante ressaltar que isso é válido para todos os bens do cliente, pois,  providenciaremos a venda de seus imóveis, lanchas, iates, automóveis, etc., e depositaremos o montante em sua conta da outra dimensão. É um negócio muito bem organizado, visando única e exclusivamente preservar a felicidade eterna do correntista. Não é justo que, devido à lei natural da vida, ele e se veja, de repente, afastado para sempre daquilo que mais amou nessa vida. Para os apaixonados pelo chamado vil metal, é uma coisa muito traumática!”

“Realmente, uma ótima sacada, Mãe Bentevi! E alguém já abriu conta?”

“Já temos uns cinquenta correntistas cadastrados e o interessante é que tem milionários de todas as áreas.”

“Como assim?”

“São representantes de diversos setores de nossa economia, desde grandes empresários, até bicheiros, traficantes, dirigentes esportivos e políticos. Entre esses, quatro ex-ministros, cinco senadores, dois ex-presidentes, quinze deputados e quatro mensaleiros”.

“E vocês já estão em plenas condições de funcionamento, ou seja, caso algum correntista venha a falecer, os trâmites serão normais?”

“Totalmente! Nesse momento, cuidamos dos casos de quatro correntistas que, no mês passado, viajaram para outra dimensão. Estamos providenciando as transferências e a venda dos respectivos bens”.

“Mãe Bentevi, a senhora gostaria falar alguma coisa para possíveis interessados?”

“Sim, quero dizer que essa Missão trouxe para mim, uma enorme satisfação, acabando de vez com o pavor dos milionários, impotentes diante do falecimento e a dolorosa separação do grande amor de suas vidas: a Grana. O Paraíso pode ser eterno! Foque, acredite, sacuda os chakras, siga Mãe Bentevi e os desígnios superiores! Em vez de deixar sua fortuna para os abutres de sua família, abra uma conta no Banco do Além e faça sua fortuna prosperar em nova dimensão!”

Pois é, caro leitor, ainda não temos novidades sobre a evolução desta instituição financeira espiritual, mas já pudemos notar que Mãe Bentevi anda deixando transparecer alguns sinais exteriores de riqueza…

Consultório Sentimental

Consultório Sentimental

Sexóloga Dra Abbddas Boccattus

Prezada Dra Abbddas, sou casada há 28 anos e, por opção, não temos filhos. Paulo Bernardo e eu sempre viajamos nos finais de semana para nossa casa em Teresópolis, região serrana do Rio de Janeiro. Adoramos o friozinho das noites e adoramos fondue de queijo. Desde que compramos essa casa, há 22 anos, devemos ter comido umas 20.000 baguetes e uns 8.000 quilos de queijo. Sei lá, é um vício gostoso que temos. Porém, o Facebook tem nos tomado muito tempo. Paulinho tem mais de dois mil amigos e eu 4.623. Adoro postar fotos dos pratos de nossos almoços, nossos jantares e, principalmente, nossos fondues. O pessoal curte muito. Paulo gosta de postar latinhas e garrafas de cerveja na hora que ele está bebendo e mastigando com a boca aberta, os tira gostos. Paulinho adora batata frita, linguicinha e canapés de maracutaia. De um mês pra cá, o Paulo veio com uma novidade: sexo a três. Começou me sugerindo de brincadeirinha, foi evoluindo e agora ele propõe seriamente. Confesso que fico muito indecisa, acho estranho e, além do mais, ando destreinada, pois, a última vez que fizemos amor foi no réveillon de 2013. Lembro-me perfeitamente, porque eu não gozei. Também não me esqueço da última vez que tive um orgasmo: 17 de outubro de 2009. Foi muito legal, Paulinho parecia que estava incorporado! Bem, por causa dessa novidade é que estou recorrendo à senhora, Dra Abbddas. O que a senhora acha de sexo a três? É saudável? É gratificante? É normal?

Grata desde já por sua atenção e um beijo para a senhora!

(Gleisi Camargo Odebrecht Mendes Junior)

Querida Gleisi,

Seu nome e seu sobrenome não me são estranhos. Curiosamente, na historia antiga, havia uma pessoa também com esse nome e sobrenome que organizava as bacanais de Sodoma e Gomorra. Quanto à questão abordada em sua consulta, devo dizer que as respostas às três perguntas podem ser sim ou não. Vai depender de quem são os três participantes. Eu sou traumatizada com esse negócio de sexo a três. Participei apenas uma vez e foi um desastre, nunca mais quis saber disso. Aconteceu no ano retrasado, em Brasília, quando caí na besteira de topar uma transa a três: eu, Zé Sarney e o príncipe Charles que estava no Brasil. Saí mais casta do que entrei. Porém, quanto a você, minha amiga, parece que sua vida sexual anda tão animada quanto o programa do Jô Soares. Então, querida Gleisi, você não tem nada a perder, pior do que está não pode ficar. Vá em frente, amiga! Quanto aos orgasmos, deixa prá lá, troque por uma orgia de compras no shopping com seu cartão corporativo.

Previsões Astrológicas – Junho 2015

Previsões astrológicas

Professor Nettunnus Boccattus

Semana de 08/06 a 14/06

Aquário

Minha amiga aquariana, pare de culpar a sorte por tudo que acontece com você! Se existe algum culpado, pode ter certeza de que é você mesma, acreditando em duendes e não analisando direito as coisas. Agora mesmo você está chateada porque aquele cara que você conheceu na platéia do espetáculo Priscila, a Rainha do Deserto, sumiu. Vocês saíram durante um mês, ele é uma pessoa agradável, educada, divertida, sensível, parecia o companheiro ideal, mesmo não sendo caliente. Um cara que adora Gloria Gaynor , tem paixão pela Cher, possui todos os DVDs das apresentações do Queen e havia acabado de sair de um longo relacionamento com uma “pessoa”. Querida, em vez de reclamar, medite sobre o assunto e depois me diga a que conclusão chegou sobre o sumiço dele.

Áries

Uma semana propícia para você, ariano, meditar. Procure recordar de coisas que já passaram, mas que, algum dia, o fizeram feliz. Por exemplo: há quantos anos você não vê o seu próprio pênis? Muito tempo, não é mesmo? Também, com esse abdômen volumoso é impossível enxergar qualquer coisa. Dê um tempo na cerveja com os amigos. Se por um lado a Ambev vai ficar chateada, por outro você vai voltar a ver o que acontece abaixo da linha do equador e certamente ficará mais feliz. E sua mulher, nem se fala.

Touro

A semana começa meio chatinha porque você vai achar que está passando por uma fase meio travada. Não é nada disso, mulher taurina! Todo mundo tem problemas. Os dos taurinos estarão mais explícitos porque o sol está passando na Casa de Noca em cuja laje haverá muito pagode e sertanejo universitário, além do Esquenta passando num telão.

Câncer

Você, homem de câncer, devido ao surgimento da “nova mulher”, a chamada mulher contemporânea, anda meio perdidão e deverá permanecer assim até que a lua em Peixes surja para abrandar a situação.

Para você é muito difícil aceitar que sua mulher saia de trás do fogão e vá prá frente da televisão com uma lata de cerveja, coçando as partes íntimas, assistir ao futebol. Pense bem, canceriano! A nova mulher não tem nada a ver com a sua avó. Não basta você deixar a barba meio por fazer, fashion, igual ao Malvino Salvador. Aceite a nova realidade e vá para o tanque lavar as roupas da família.

Libra

Semana especial para librianas casadas com homens que usam peruca.

Pare de ficar encucada, achando que todo mundo na rua está reparando na peruca de seu marido. Desencana, porque todo mundo está percebendo mesmo. O importante é que seu amado esposo continue achando que ninguém saca. Ora, minha amiga, se o Eike, um dos ex-homens mais ricos do mundo usa peruca, porque o seu marido não pode usar? Tá certo que as do Eike eram importadas, custaram uma baba, por volta de 100 mil dólares e a do seu esposo é “Kanekalon 25 de Março” parecendo chapéu produzido com cabelo de taturana.  E daí? Quem olha para o Eike, pensa logo: “essa peruca é importada!” Já quem olha pro seu marido: “é peruca nacional!”

Fica sendo apenas uma questão de status.

Escorpião

Uma semana feliz para os nascidos sob o signo de Escorpião que trabalham na área comercial. Vocês vão receber um monte de solicitações dos setores de compras de várias empresas, como jamais acontecera antes. E o melhor de tudo é que ninguém vai lhes pedir propina. Essa sorte momentânea deve-se à passagem de Marte pela 10ª casa de detenção e ao receio de que o Fantástico esteja filmando com uma câmera escondida. Aproveite para faturar sem abrir mão dos 10%.

Capricórnio

Os astros conspiram a seu favor. Você estará fascinante, exalando sensualidade e os homens caindo a seus pés. Não dê mole! Deve pintar dois sagitarianos em seu caminho. Se um deles a convidar para comer um croquete no Alemão da Dutra, na altura de Duque de Caxias, caia fora, é fria!  Se o outro, um cara bem mais velho, convidar para jantar no Antiquarius e lhe presentear com um camafeu de brilhantes e uma BMW conversível, caia de cabeça porque é quente! O cara é o Olacyr de Moraes.

Virgem

Semana ideal para passar os sete dias em contato com a natureza, acampando com seu amado na represa de Guarapiranga. Além da barraca, leve miojo, repelente, vara de pescar e antidepressivo.

Leão

Leonina, você já parou prá pensar quantas vezes o seu pavio curto afastou os pretendentes? Calma, minha amiga, muita calma. Você tem razão em achar um monte de defeitos no Novo Homem. Eles são mais vaidosos do que você, amam a si mesmos acima de todas as coisas e procuram se sentar em frente aos espelhos nos restaurantes. Mas, você não vai conseguir mudá-los, o Novo Homem chegou para ficar e dizem os cientistas que já a partir do segundo semestre de 2015 os Novos Homens nascerão hermafroditas, o que os possibilitará de fazer amor consigo mesmos, sem a parceria desagradável da mulher.

Gêmeos

Semana incrível em que os geminianos da classe C se revoltarão e sairão em passeata, protestando contra o lixo cultural que as televisões acreditam que agrada a essa classe social. “Não somos ricos, mas também não somos idiotas! Queremos bom gosto e qualidade!”

Dará certo: a TV Globo tirará o Faustão do ar e colocará em seu lugar “O Teatro dos Grandes Escritores Brasileiros”, inaugurando com um conto de Machado de Assis.

Sagitário

Sagitariana, você sabe que a situação está muito difícil, no Brasil existem dez mulheres para cada homem. Você é muito exigente, mas precisará rever seus conceitos. Do jeito que a coisa ta preta, se o cara estiver respirando, já é um bom negócio.

Peixes

Pisciana do primeiro decanato: há quanto tempo você vive infeliz? Há quanto tempo a presença do seu marido a irrita? Há quanto tempo você sente um frisson quando a cantora Ana Carolina aparece cantando na TV? Essa é uma semana propícia para você encarar a situação de frente.

Diga claramente para o seu marido que, para a você, a vida não gira em torno de cerveja e escondidinho de carne seca. Informe que está indo embora, em busca da felicidade e que essa atende pelo nome de Ana Carolina.

Aniversário de tia Rubbias

Aniversário de tia Rubbias

Graças ao espaçoso quintal, onde a frondosa e cinqüentenária mangueira reina absoluta, é na casa de tia Tarsillas que a as festas da família Boccattus acontecem. Ali, o tempo não aceitou a modernidade no que se refere ao prazer sem culpa. Forno de barro à lenha, largas redes e espaçosas espreguiçadeiras completam o oásis em pleno bairro de Pinheiros, entre os imponentes arranha-céus.

Sábado passado comemoraram, com um baita almoço, os 85 anos de tia Rubbias, uma viúva sempre alegre e irmã da dona da casa.

As duas tem mais jovialidade do que muitas trintonas e quarentonas. Adoram casa cheia, comida farta e música de qualidade. As festas são realizadas aos sábados, para que os convidados possam passar o domingo se recuperando.

Rubbias adora samba e é inflexível: só aceita bambas, nada de falsos pagodeiros.

Dessa vez, talvez por ser sua data especial, selecionou, pessoalmente, o som: Martinho, João Nogueira, Clara Nunes, Xangô da Mangueira, Candeia, Jurema, Clementina, Ivone Lara, Beth Carvalho, Zeca Pagodinho, Paulinho da Viola, Nelson Cavaquinho e Cartola.

No cardápio, comida light não teve vez: leitão à pururuca, carne seca com abóbora, rabada com agrião, feijão tropeiro, farofa de ovos com banana e, para matar a sede, vinho tinto de primeira, já que tia Rubbias o considera um santo aliado das coronárias. Para os abstêmios, sucos de graviola, cajá e tamarindo.

O samba corria solto, com o pessoal na maior empolgação, menos o Canddiddus, alheio a tudo, ouvindo atenta e serenamente, a conversa de uma moça de cabelos crespos, enormes, tanto para cima como para os lados, usando oculinhos escuros de aros redondos, debaixo de um manacá estupendamente florido e perfumado.

Dizia ela que “se separara há sete meses e que agora, aos trinta e dois anos, decidira fazer sociologia na PUC, era muito seletiva em relação ao sexo oposto, fazia questão de preservar seus espaços, sua individualidade, considerava-se uma fêmea uterina. Isso significava, segundo ela, que suas emoções vinham de dentro, intensas, aos borbotões, e que o homem que a pretendesse, teria que amadurecer a relação por longo tempo, antes de fazer amor”.

Depois de quarenta minutos só escutando, Canddiddus, que adora desafios amorosos aparentemente difíceis, vislumbrou a possibilidade de um final feliz, tanto que dispensou as comidas pesadas e bebidas alcoólicas, dando preferência a algumas frutas e, só para esquentar, uma tacinha de licor de araruta. Com a voz aveludada que ele sempre reserva para momentos decisivos, dirigiu-se à moça com a delicadeza habitual: “Diná, fêmeas como você, independentes, guerreiras, são mais sensíveis do que a maioria. Amam o belo em todas as formas. Enquanto você falava, eu a admirava e pensava: eis uma mulher especial, daquelas poucas com suficiente percepção para curtir minha pinacoteca. Fiquei sem jeito de convidá-la, mas ponderei comigo mesmo: ora, mulheres como a Diná, curtem obras de arte, sabem o que querem e percebem quando um homem está blefando”.

Diná escutou, refletiu, aceitou, foi, viu e sucumbiu.

Dia seguinte, após cavalheirescamente acomodar Diná num táxi especial, resolveu tomar café com tia Rubbias e desculpar-se por ter ido embora antes dos parabéns.

O primo Ruddes, sentado à mesa, sussurrou ao seu ouvido: “Canddiddus, cá entre nós, a moça parecia ser jogo duro. Quando você sentiu que teria chance?”

“No momento em que usou a expressão meio fora de moda, “fazer amor”. Pela entonação, percebi que ela se encontrava em estado de profunda carência afetiva”.

A evolução do ser humano

A evolução do ser humano.

Ruddes, o membro mais ácido da família Boccattus, estava mais mal-humorado do que de costume durante o aniversário de Canddiddus.

E quando Esttevves, o sobrinho tecnológico começou a enumerar os “enormes avanços da humanidade” com o advento da Era Digital, Ruddes aproveitou para dar vazão aos seus crônicos maus bofes:

“Os séculos passam a tecnologia prospera e até hoje ninguém conseguiu responder à pergunta básica: o que estamos fazendo aqui e para onde vamos? Às vezes a gente se depara com algumas pessoas que, pela prepotência, arrogância e pretensão, parecem ter encontrado a resposta. Mas, não, trata-se apenas de imbecilidade mesmo, falta de consciência de que daqui a pouco estará alguns palmos abaixo do chão, como todo mundo.

Os espíritas defendem a tese da reencarnação, acreditam que estamos nesse mundo para evoluir, até alcançarmos a plenitude espiritual.

Digamos que eles estejam corretos, que seja essa a resposta que tanto buscamos.

Se pensarmos um pouco e analisarmos determinados comportamentos dos seres humanos, chegaremos à conclusão de que precisaremos de zilhões de anos para atingir o estágio máximo de evolução, sem contar que antes da gente, uma infinidade de gerações passou por aqui, tanto tempo já se foi e ainda nos encontramos nesse estágio.

Nem falo das barbaridades que pipocam na mídia a todo instante, como corrupção, pedofilia, estupros, facadas, agressões à mulher e maus tratos aos idosos.

Falo de mediocridades e mesquinharias aparentemente mais inofensivas, como por exemplo, o “malandro” que utiliza o acostamento para fazer ultrapassagens nas estradas engarrafadas. Ou o “poderoso” do trânsito sentado em seu utilitário, sentindo-se forte, imbatível, forçando e abrindo espaço graças ao seu “tanque de guerra”. E aqueles dementes jogando lixo pela janela do veículo, como se a rua fosse a casa de suas (deles) queridas genitoras, contribuindo para entupir bueiros e ampliar o caos nas cidades em dias de chuva? E os trogloditas que arremessam colchões, vasos sanitários, penicos, etc., em rios, como por exemplo, o pobre do Tietê?

E o comportamento asqueroso da classe política, onde, mentira, roubo e traição são predicados? E os programas de televisão, com conteúdos capazes de fazer enorme sucesso em saraus de orangotangos e toupeiras? E o show de narcisismo de nossos artistas e celebridades, todos com seus mundos particulares girando em torno de seus próprios umbigos?

Na internet, grande parte das pessoas que posta mensagens edificantes, politicamente corretas, jamais levantará a bunda da cadeira para se engajar prá valer em movimentos que venham a mudar alguma coisa para melhor. São os chamados heróis virtuais. Meter a mão na massa anonimamente dá trabalho e não tem glamour.

Pois é, meus amigos, depois de tanto tempo de aprendizado, depuração espiritual e o advento da fantástica Era Digital, eis o grau de evolução que conseguimos alcançar”, finalizou o nosso desagradável primo tolerância zero.

Pela cara do Esttevves, deu para perceber que, se estivesse com um IPad na mão, tacaria na cabeça de Ruddes.